Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Banquete

A República de Platão é o livro mais conhecido do filósofo grego. Contudo, em "O Banquete", também conhecido como Simpósio, Platão vai discutir as naturezas do amor e da alma.

Recuperação do tempo de serviço dos professores - uma proposta cínica!

03.05.24 | Servido por José Manuel Alho

ministro.jpeg

Imagem retirada daqui - LUSA, Miguel A. Lopes

Desengane-se quem - se for professor/a - hoje pensar que recebeu um bom sinal, uma potencial boa notícia após a reunião com a nova equipa do Ministério da Educação, Ciência e Inovação.

Além de propor um faseamento que se constitui em mais um imposto, a somar a todos aqueles que a classe docente já pagou, avança-se com a revogação da migalha inscrita no famigerado "mecanismo de aceleração da progressão na carreira" e - o mais grave! - mantêm-se, no âmbito desta apregoada recuperação, as quotas de acesso ao 5º e 7º escalões quando se escreve:

Durante o período de recuperação serão mantidas as regras de progressão (artigo 37º), nomeadamente a exigência de vaga para acesso ao 5º e 7º escalões e os efeitos da avaliação (artigo 48º), previstas no Estatuto da Carreira Docente."

Estamos, de uma penada, perante uma tripla penalização. NÃO é assim que se respeitam e se valorizam os professores.

Na verdade, o que foi apresentado não passa de um rascunho para uma recuperação, vincadamente administrativa, sem efeitos nas carreiras dos professores.

É de um cinismo atroz presumir que se pode falar em recuperação ou devolução do tempo de serviço dos professores mantendo, em simultâneo, a exigência de vaga para acesso ao 5º e 7º escalões. Isto é outra coisa qualquer: habilidade, truque, ilusão, artimanha...

Como (muito) bem assinala Paulo Guinote: 

Com esta medida,o ministro das Finanças acaba por ter razão… quase ninguém progredirá seja o que for este ano com base nesta pretensa parcela, ficando 99% para 2025.

Nestes termos, jamais poderemos encarar este processo como sendo uma negociação. Quando muito, estaríamos a testemunhar uma patranha em que os conceitos, legais e morais, de recuperação ou de devolução significariam coisa bem diversa do comummente aceite. Absolutamente intolerável!